"Apesar das fragilidades, SUS está preparado para coronavírus", diz sanitarista

O Sistema Único de Saúde (SUS) passará por um dos maiores desafios desde sua criação: combater a pandemia do novo coronavírus, que já tem mais de 1.891 casos* em todo o Brasil. 

Um dos pilares contra o avanço do vírus é a Estratégia de Saúde da Família, programa que, desde 1993, por meio do trabalho comunitário na atenção básica já erradicou doenças como o Sarampo e a Poliomelite. 

Para a médica sanitarista e supervisora no Programa Mais Médicos na Grande São Paulo, Maria Célia Medina, apesar do sucateamento e da sobrecarga, o SUS está preparado e é a principal alternativa para milhões de brasileiros que terão que enfrentar o Covid-19. 

"A gente acredita que agora essa pandemia pode ter o benefício dessa estrutura, apesar de que hoje a gente tem um SUS um pouco mais enfraquecido, com um número de profissionais reduzidos, a gente perdeu mais de 18 mil médicos do programa mais médicos”, explica Célia, que endossa o coro do Conselho Nacional de Saúde (CNS) pela revogação do teto dos gastos.

De acordo com estudo do CNS, a emenda já tirou R$ 20 bilhões do SUS, desde sua implantação em 2016 no governo de Michel Temer.

Segundo o Ministério da Saúde, a previsão é que o total de infecções pelo novo coronavírus aumente nas próximas semanas. Cidades como São Paulo e Rio de janeiro já registram a chamada transmissão comunitária, quando a trajetória dos contágios não pode mais ser rastreada. Em São Paulo, já são 745 o número de casos confirmados*. 

Prevenção para reduzir danos

Com a possibilidade de transmissão comunitária, a estratégia do Ministério da Saúde agora é diminuir os danos que o vírus pode causar à população. Entre as recomendações está o isolamento domiciliar ou hospitalar para pessoas com sintomas da doença além da recomendação para que pacientes com casos leves procurem as Unidades Básicas de Saúde. 

O Ministério da Saúde estima que, sem a adoção das medidas preventivas em todos os estados brasileiros, o número de casos da doença dobre a cada três dias. A nível mundial,  já foram registrados mais de 142 mil casos da doença em pelo menos 118 países, com mais de 5 mil mortes.

“Por tudo que se tem estruturado no país na área da saúde eu acho que a gente vai conseguir lidar com a melhor maneira possível até diante dessas fragilidades. Se a gente não tivesse o SUS, seria muito difícil o Ministério da Saúde elevar, permeabilizar, capitalizar tudo isso no meio da população”, afirma Célia.  

 

*dados atualizados de acordo com o dia da clipagem.

 

 

Fonte: Brasil de Fato

Compartilhar no Facebook
Compartilhar no Twitter
Please reload

Faça parte de nossa lista de e-mails e não perca mais nenhuma informação !

Av. Mauro Ramos, 1624 - Florianópolis/SC-88.020-304

Tel: (48) 3365-7245  //  (48) 3365-7387

sinpsisc@sinpsisc.org.br

Entre em Contato

© Copyright - Todos os direitos reservados - CNPJ: 10.537.494/0001-00

Site administrado por:

QUALITY Soluções Web
Quality Soluções Web | Criação de sites | Aluguel de Loja Virtual | Marketing Digital | Automação Comercial | Whatsapp 48 98427-9431 | Atendemos todo Brasil

© 1996-2019 - "23 anos inspirando Tecnologia para Você!"