17 de maio - Dia Internacional contra a Homofobia

De acordo com o relatório publicado pelo Grupo Gay da Bahia (GGB), em 2021 foram contabilizadas 300 mortes de pessoas LGBTQIA+ no Brasil.




Segundo a organização, “A decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) ao equiparar a homofobia ao crime de racismo, foi acertada e necessária, mas os efeitos dessa nova postura serão mais efetivos quando o Executivo implementar ações de monitoramento, responsabilização dos agressores e políticas de respeito às diferenças, entre as quais ações sociais de combate às vulnerabilidades do segmento LGBT”.


As vítimas, em sua maioria são homens gays, pessoas trans e travestis, entre 20 e 50 anos, brancas, pretas e pardas, e assassinados por meio de armas de fogo e armas brancas em suas residências ou em espaços públicos.

A Psicologia tem um compromisso firmado pela Resolução CFP No. 01/99, de 22 de março de 1999, em atuar de maneira ética e não discriminatória, promovendo o bem estar das pessoas e da humanidade, contribuindo com conhecimento, reflexão e práticas que visem o desaparecimento da discriminação. do estigma e da patologização contra pessoas LGBTQIA+.


Em Santa Catarina, o SinPsi-SC reafirma o compromisso de atuar por uma Psicologia que respeite e dê voz a todas as orientações sexuais e identidades de gênero, bem como à raça e classe que as atravessam.


E na sua prática? Essas estatísticas se fazem visíveis? Como você consegue contribuir, no seu dia a dia para o fim da homofobia? Conta pra gente nos comentários!


Fontes para embasar texto: https://site.cfp.org.br/wp-content/uploads/1999/03/resolucao1999_1.pdf


https://grupogaydabahia.files.wordpress.com/2022/03/mortes-violentas-de-lgbt-2021-versao-final.pdf